Seguidores

Siga-nos por E-mail

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Linda estória...


Estava indo para Caraguatatuba pegar uma praia e visitar meu irmão. 

Parei no posto de gasolina, vaca preta, para tomar café. 

Esta cadelinha preta, veio ao meu encontro e abraçou minha perna. 

Nunca vi isto!

Enfim, pedi para o chapeiro fazer um file de frango sem tempero para dar a ela.
Enquanto ela comia, percebi que ela estava com as mamas inchadas; passei a mão, e saiu leite!
Perguntei aos funcionários do posto onde estavam os bebes da cadela.

Eles me contaram a seguinte história: - “Ela apareceu lá no posto fazia uns três meses. Eles a alimentavam e começou a engordar.
Depois de um tempo ela sumiu. Tornou a aparecer, mais magra.

Ela vinha do outro lado da rodovia logo cedo, para comer e no final da tarde, atravessava a rodovia para o alto do morro”.

Os funcionários achavam que ela gostava de dormir no mato. Nem se tocaram que ela, voltava para cuidar dos bebes.

Durante dois meses, todos os dias a mesma rotina.
Atravessava a rodovia de manhã, comia e voltava à tarde.


Pedi uma corda para amarra-la e atravessei a rodovia.
No inicio, ela não confiou em me levar onde estava escondido seus bebes.
Duas horas depois de me fazer subir e descer o morro, olhou pra mim e foi direto onde estavam os bebes.

Latiu e abanou o rabo. Não acreditei... dentro de um cupinzeiro! Dois bebes.
Saudáveis e lindos.

Penso, quantas mulheres engravidam e tem meios para evitar, ficam sentindo uma vida crescer dentro de seu corpo e depois jogam em uma lixeira quando nascem.

Sentem a dor do parto igual dos animais, ouvem o chorar do bebe, igual dos animais, e mesmo assim tem a frieza de afogar, jogar no lixo ou enterrar seus próprios filhos.

Enfim, esta é a prova de que, realmente a essência do amor dos animais está acima de qualquer suspeita.

Esta cadelinha que dei o nome de Mãezinha é mesmo uma “mãe”. Todos os dias, creio que pelas minhas contas, durante quatro meses, ela atravessava a perigosa Rodovia dos Tamoios para cuidar de seus filhos, arriscando sua vida.

Foi muito emocionante jamais vou esquecer e nem os funcionários do posto.

A história eles contam a todos que param lá. A Mãezinha esta aqui na minha casa com seu filho (o de cor caramelo) e seu nome é Panzer. O branco com olhos azuis doei para a Vera, uma amiga. 



Fonte: http://www.facebook.com/photo.php?fbid=570620242965053&set=a.570620156298395.150354.100000512482937&type=1&ref=nf



É por isto que eu acredito, ainda, no BEM, nas pessoas de BEM, e que se quisermos podemos SIM, fazer a diferença neste mundo enquanto estamos por aqui.

Faça você também!!!


Pessoal! Conheçam a nossa Fan Page! Curtam-nos! 

Comunidade

Aguardo por vocês!

Nenhum comentário:

Postar um comentário